Itaú é processado em 20 milhões de reais. Funcionária teria sofrido aborto espontâneo dentro da agência.

Sío Paulo – O Itaú está sendo processado em 20 milhões de reais por assédio moral por conta de uma funcionária que, sob pressío, teria sofrido um aborto espontâneo em uma agência no Tocantins, em 2010.  O banco diz que está apurando os fatos.

A ação foi movida pelo Ministério Público do Trabalho do estado (MPT-TO), que ainda acusa a empresa de sobrecarregar os trabalhadores, não computar horas extras devidamente e punir aqueles que ficam doentes.

Segundo o órgío, essas irregularidades “estariam ocasionando problemas físicos e psicológicos nos empregados”.

Histórico

De acordo com uma denúncia feita pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Estado do Tocantins (Sintec-TO), a funcionária grávida teria passado mal e abortado durante o expediente.

Depois do incidente, ela teria sido obrigada a terminar suas tarefas antes de procurar um hospital.

“Mesmo ensanguentada, não pôde sair da agência até fechar a tesouraria, três horas depois do aborto”, diz o MPT-TO, em nota. Durante esse período, o feto teria sido guardado em um saco plástico.

No dia seguinte, depois de receber atendimento médico, a colaboradora ainda teria voltado ao local de trabalho para transferir a tesouraria para um colega e o seu direito de afastamento teria sido reduzido de 30 dias para apenas quatro.

Além deste caso, o MPT relata que a empresa exerceria pressío excessiva nos funcionários, o que por vezes faria com que eles não conseguissem almoçar e precisassem fazer horas extras.

Isso ocorreria porque o número de trabalhadores estaria reduzido e haveria acúmulo de funções como as de gerente operacional e de caixa, por exemplo.

Segundo a procuradora Mayla Alberti, que conduz a ação, há também relatos de bancários que teriam sido punidos pela empresa por ficarem doentes.

“Neste ambiente insalubre, empregados sofreram doenças organizacionais, como estresse, tendinite e lesío por esforço repetitivo, sendo alguns demitidos em razío dos problemas de saúde”, diz o MPT-TO, em nota.

Procurado, o banco disse em nota que: “o fato relatado é estarrecedor, fere os mais fundamentais princípios da organização e é inadmissível na nossa ética e cultura de respeito e valorização dos profissionais”.

A empresa também afirmou que “o Ministério Público do Trabalho conduziu as investigações sob sigilo, por isso tivemos acesso aos documentos somente nesta manhí (3). Desta forma, iniciamos a apuração dos fatos, inclusive, para aplicação das devidas penalidades funcionais, cíveis e trabalhistas”.

Ação

O processo pede, além da indenização por dano moral coletivo, que o Itaú estabeleça metas “compatíveis com a atividade laboral”, conceda pausas remuneradas para descanso, pague horas extras devidamente, impeça o acúmulo de funções e não “nío persiga bancários que prestaram depoimento no inquérito”.

Uma audiência entre as partes está marcada para o dia 12 de junho.

Outro caso

Em 2012, o Itaú foi condenado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) a indenizar em 150.000 reais uma outra funcionária que sofreu aborto espontâneo depois de passar por estresse no trabalho.

Ela teria sido insultada seguidas vezes por um cliente do banco que a acusava de ter pegado parte de sua aposentadoria. O caso ocorreu em 2006.

Fonte: Exame.

 
Marcello Benevides

Marcello Benevides

É fundador e CEO do escritório que leva seu nome, está formado desde 2005. Tornou-se especialista na recuperação de créditos de alta monta, diante da vasta experiência adquirida na realização de Cobrança Extrajudicial e Judicial para Empresas e Instituições Financeiras. Possui Pós-Graduação em Direito Empresarial pela AVM — Universidade Cândido Mendes, além de curso de atualização em Direito do Consumidor pela Fundação Getúlio Vargas — FGV — RJ.