Ação Reivindicatória: Como Funciona? | Marcello Benevides
Ação Reivindicatória: Como Funciona? | Marcello Benevides

Artigo


Ação Reivindicatória: Como Funciona?

A ação reivindicatória é um ato judicial que tem por objetivo reivindicar um direito que está em posse de outrem. Assim, através dessa ação é possível reaver o direito que não estava sendo usufruído. Quer saber como funciona a ação reivindicatória? Necessita de suporte jurídico nesta questão?

Somos um escritório de advocacia especialista em Direito administrativo e ações possessórias e petitórias, com intensa atuação na área. Caso tenha interesse em contratar nossos serviços, entre em contato conosco. Nossos canais de contato são: Telefones: Fixos 21-3217-3216 / 21-3253-055e 11-4837-5761. Celular 21-99541-9244logo_whatsapp_con_sombra_sin_fondo02_4(Clique no número para falar direto no whatsapp).

Ação Reivindicatória: como funciona?

Conteúdo ocultar
1 Ação Reivindicatória: como funciona?

Como funciona a ação reivindicatória?

Certamente, na vida cotidiana, podemos dizer que quando falamos em reivindicar alguma coisa, temos o intuito de recuperar, ou seja, de reaver algo que se encontra em posse de outra pessoa.

No mundo jurídico, esse conceito não é diferente. Assim, a diferença é que a reivindicação além de ser cobrada pelo meio judicial, é relacionada a um direito positivado pelo ordenamento jurídico brasileiro. Portanto, este mecanismo jurídico é chamado de ação reivindicatória. Deseja saber o que é e como funciona a ação reivindicatória? Acompanhe este artigo e saiba tudo sobre esse mecanismo jurídico.


I- O que é a ação reivindicatória?

A ação reivindicatória consiste no direito do proprietário de discutir o direito real da propriedade do bem. Portanto, esta ação é o instrumento pelo qual o proprietário que não detém a posse, possa reaver a posse do bem daquele que detém a posse injusta, mas não é o proprietário.

Assim, a finalidade é recuperar a coisa que está em posse de terceiros. A ação reivindicatória está fundamentada no artigo 1.228 do Código Civil de 2002.

Artigo 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.


II- Quais os requisitos da ação reivindicatória?

Quais os requisitos da ação reivindicatória?

Existem três requisitos que são essenciais para dar procedência a ação e permitir que ela seja admissível pelo poder judiciário. Estes requisitos são:

  • A- Demonstrar o domínio atual sobre a coisa reivindicada;

  • B- Individuar a coisa pretendida, ou seja, demonstrar os limites e confrontações do imóvel, identificando-o minuciosamente;

  • C- Demonstrar que o réu está exercendo a posse sobre a coisa de forma injusta.

Quanto ao primeiro requisito, é ainda mais importante ressaltar que, é necessário reunir todos os documentos que possam ser usados como prova comprobatória da titularidade do domínio.

Em relação ao segundo requisito, é necessário que o autor da ação reivindicatória individualize a coisa. Portanto, ele deve delimitar sua dimensão, a localização e suas confrontações, ou seja, todos os elementos que caracterizem a área reivindicada

Finalmente, em relação ao terceiro requisito, é imprescindível demonstrar que o possuidor da coisa exerça a posse injusta. Nos termos do artigo 1.200 do Código Civil de 2002, posse injusta, para efeito possessório, é a que possui vícios de origem da violência, clandestinidade e precariedade. Já para efeito reivindicatório, posse injusta é aquela sem causa jurídica a justificá-la, sem um título, uma razão que permita ao possuidor manter consigo a posse da coisa alheia.


III- Qual a diferença entre ação reivindicatória e ações possessórias?

Parecer jurídico personalizado sobre ação reivindicatória. Solicite agora.

É necessário distinguir a ação reivindicatória das ações possessórias. É uma tarefa complexa para alguns juristas, devido à falta de clareza da legislação, e por isso iremos colaborar para que você entenda e aprenda essa distinção.

Sendo assim, as ações possessórias são três: interdito proibitório, manutenção de posse e reintegração de posse. Estas ações possuem o intuito de garantir que o proprietário de determinada coisa goze de seu direito de posse. Portanto, nas ações possessórias o que está em discussão é a posse como fato (jus possessionis). Assim, estas ações visam à manutenção ou à reintegração de posse sobre a coisa. Entretanto, é importante ressaltar que, a ação reivindicatória é um tipo de ação petitória. Portanto, nesta ação o que está em discussão é o reconhecimento do domínio da coisa (jus possidendi). Finalmente, esta ação visa o reconhecimento do direito de usufruir e dispor da coisa do qual o indivíduo é proprietário.

É ainda mais importante ressaltar que, o artigo 554 do Código de Processo Civil trouxe expressamente a possibilidade de fungibilidade entre as ações possessórias. Assim, é possível que haja a interposição de ações possessórias, e isso não afeta o fato de que o juiz conheça o pedido do indivíduo e outorgue a proteção legal que correspondente àquela ação. Portanto, para que você compreender melhor essa diferença, veja logo abaixo o que é cada ação possessória e petitória.


A- Ação possessória de reintegração de posse

O direito à reintegração de posse é fundamentado no Código Civil, em seu artigo 1.210:

Artigo 1.210. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação, restituído no de esbulho, e segurado de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado.

1° O possuidor turbado ou esbulhado poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, contanto que o faça logo; os atos de defesa, ou de desforço não podem ir além do indispensável à manutenção ou restituição da posse.

Assim, a ação de reintegração de posse é referente a posse do bem. Assim, nesta ação não há discussão sobre o domínio ou propriedade da coisa. Portanto, o autor da referida ação exercia o seu direito de posse e foi privado dela, e por isso deseja realizar a reintegração da posse.

Finalmente, são necessários alguns documentos para poder ingressar com ação de reintegração de posse. Estes são:

  • Prova da posse prévia: Fotos, depoimentos ou outros elementos que demonstrem a posse que antecede ao esbulho.
  • Prova do esbulho: Fotos, boletim de ocorrência, testemunhas que possam evidenciar a perda da posse.

B- Ação possessória de manutenção de posse

A Ação de Manutenção de posse está fundamentada no mesmo artigo da reintegração de posse, ou seja, o artigo 1.210 do Código Civil.

Artigo 1.210. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação, restituído no de esbulho, e segurado de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado.

Em relação a esta ação, ela está relacionada à perturbação da posse, sem que esta tenha sido perdida, ou seja, o autor continua mantendo a posse, mas há empecilhos que o impedem de exercê-la de modo amplo e irrestrito.

Portanto, em relação as provas para ingressar com a ação de manutenção de posse, estas são:

  • Prova da posse: Fotos, depoimentos ou outros elementos que sirvam de prova sobre a continuidade no exercício da posse.
  • Prova da turbação: Fotos, boletim de ocorrência, testemunhas que possa comprovar que houve a perturbação da posse.

C- Ação possessória de interdito proibitório

Esta ação também tem proteção legal no artigo 1.210 do Código Civil, e possui a finalidade de evitar uma perda da posse iminente. Assim, não houve o esbulho, nem a turbação da posse, sendo uma ação proposta pelo fato de existir um risco do indivíduo perder a posse.


D- Ação petitória de imissão de posse

Notificação extrajudicial. Solicite agora.

Já as ações petitórias possuem como principal fundamento a origem do direito à posse. Portanto, estas ações discutem os direitos inerentes à propriedade. Assim, estas ações levam em consideração o direito de domínio, ou seja, de propriedade do autor, dentre as quais, a posse. Finalmente, existem dois tipos de ações petitórias: a imissão de posse e a ação reivindicatória.

A ação de imissão de posse tem fundamento no artigo 1.228 do Código Civil, segundo o qual o proprietário tem a faculdade de usufruir da coisa do qual é proprietário. Além disso, ele também tem o direito de reavê-la do poder de quem quer que a possua de forma injusta. Assim, esta ação é adequada para o proprietário que nunca exerceu a posse, mas adquiriu a propriedade e possui dificuldade em dispor do seu bem.


E- Ação petitória reivindicatória 

A ação reivindicatória de posse é o mecanismo jurídico adequado ao proprietário que já teve a posse do bem, mas está impedido, de forma injusta, de exercer o seus direitos em relação a sua propriedade.


IV- Qual a diferença entre a ação de imissão de posse e a ação reivindicatória?

Qual a diferença entre a ação de imissão de posse e a ação reivindicatória?

As duas são ações petitórias e tem como ponto de discussão o domínio, ou seja, exige-se prova da propriedade. Do que se diferenciam das ações possessórias, estas se distinguem entre si. Sendo assim, é importante saber que, elas se distinguem entre si através do exercício da posse. Portanto, enquanto na imissão de posse o autor da ação nunca teve o exercício da posse. Em contraste, já na ação reivindicatória o autor tinha a posse e busca reaver a posse perdida.


V- Qual a diferença entre a ação de reintegração de posse e a ação reivindicatória?

Na ação de reintegração de posse o indivíduo detém a posse, mas é privado dela, como em casos de invasão de terra. Assim, é necessário ingressar com uma ação de reintegração de posse. Portanto, esta ação tem o intuito de que o (s) indivíduo (s) que estejam privando o seu direito de posse, sejam retirados do local.

Já na ação reivindicatória, o indivíduo tem o título de propriedade, mas não a posse, que está sendo exercida por outra pessoa. Assim, caso a pessoa tenha o título de propriedade, mas não tenha a posse, ela deve ingressar com a ação reivindicatória, para que o possuidor saia do imóvel.


VI- Ainda tem dúvidas sobre como funciona a ação reivindicatória?

Agende uma consulta com nossos especialistas.

Ação reivindicatória? Consulte-nos. Clique na imagem acima para agendar uma consulta personalizada. Para saber mais detalhes sobre o funcionamento da nossa consultoria, acesse o link abaixo:

Consulta Jurídica – Como funciona?

Você também pode preencher o formulário abaixo informando dados básicos e detalhes sobre o caso. Vamos analisar, entrar em contato para agilizarmos tudo quanto for possível.








captcha


Caso prefira, faça um contato conosco por telefone ou e-mail:
– Telefones Fixos:
Rio de Janeiro – RJ (21) 3217-3216 / (21) 3253-0554
São Paulo – SP (11) 4837-5761
Marcello Benevides

Marcello Benevides

Advogado Especialista em Direito Imobiliário. Atuação no Direito Patrimonial com ênfase em Sucessões [Inventário]. Sócio Fundador e Coordenador Jurídico da MBAA. Membro do Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário (IBRADIM). Pós-Graduando em Direito Negocial e Imobiliário pela EBRADI (Escola Brasileira de Direito) Pós-Graduado em Direito Empresarial e dos Negócios pela AVM — Universidade Cândido Mendes.

×

Olá!

Clique em um de nossos atendentes para entrar em contato Conosco!

× Como posso te ajudar?